Comunicação e Negritude

É inegável a importância da mídia em nosso país. Por maior que tenha sido o crescimento da internet e das mídias sociais nos últimos tempos a comunicação tradcional, representada pela televisão aberta e pelos jornais impressos, ainda possui uma grande influência no nosso cotidiano e na formação da opinião da sociedade.
É notório que a comunicação brasileira é feita por brancos e para brancos. Apesar de sempre se dizer neutra, imparcial ao observarmos como os temas tocantes a negritude são tratados como: genocídio da juventude negra, cotas e mesmo a questão da representatividade negra na televisão vemos que a comunicação não nos abarca e mais do que isso serve para propagandear o discurso de manutenção dos privilégios. 
Sendo assim, é muito importante discutirmos como os temas comunicação e negritude se ligam, ou não se ligam, e para isso contaremos com os seguintes convidados e convidadas:
- Moisés da Rocha: radialista, apresentador do programa "O Samba Pede Passagem" , na Rádio USP;
- Oswaldo Faustino: jornalista e escritor, com passagens, entre outros, pela reportagem da Folha de SP e de O Estado de SP;
- Luciana Araújo: Jornalista, integrou o Núcleo Impulsor em São Paulo da Marcha das Mulheres Negras em 2015.
- Luka Franca: Luka Franca, jornalista, militante feminista e antirracista e blogueira.